Smart client – nova geração de computadores para PDV


Thin Client no Ponto de venda? É possível?

Thin client na Automação comercial de PDV

Quando se ouve falar de thin client, geralmente pensamos em uma CPU sem HD,
sem Memória RAM, apenas uma CPU de conexão com o servidor onde
o processamento é realizado localmente e por sua vez ao desligar o mesmo perde
estas informações já que toda a inteligência, segurança
está no servidor.

Bem isso é verdade, e é para isso mesmo o objetivo de um thin
client. Mas a pergunta é: Pode um thin client ser utilizado na automação
comercial?

A Resposta é SIM! Porem antes de explicar gostaria de contextualizar
com uma frase de Steve Jobs (Não é nada fraco este cara né?)
“O Cliente não sabe o que ele quer até que seja
apresentado ao que estamos ofertando”.
– Esta frase
nos ajuda a entender porque às vezes chegamos a uma padaria, estacionamento,
central de carga, um PDV simples, uma farmácia ou outro mercado que se
utiliza de um sistema de controle de automação, principalmente
no PDV, e nos perguntamos: “Nossa! Para quê tanto PC, tanto processador
se aqui é apenas e tão somente um caixa, um PVD?”. E é
uma pergunta muito pertinente, afinal de contas para quê um Monitor, um
teclado convencional, um HD (que dá pau!) partes mecânicas, 2 Gigas
de RAM, HD de 180 Gigas, placa mãe GigaBit, a melhor maquina para realizar
uma única e exclusiva tarefa de contabilizar e controlar a entrada e
saída de veículos, controlar o PDV ou simplesmente imprimir na
impressora fiscal.

Mas o que tudo isso tem que ver com a frase de Steve Jobs? A correlação
é que hoje os clientes ainda não foram apresentados a esta tecnologia,
não de forma tão massiva como ao PC. Querem ver? Quantas empresas
você teve o feedback do cliente dizendo…Não haveria um Comutador
mais magro, sem tanta parafernália para ser utilizado no PDV? Dificilmente
você deve ter tido este feedback já eu o PC como conhecemos hoje
ele é constituído uma entidade inquestionável! É
verdade, inquestionável… No sentido de que se desejo automatizar um
processo através de um software necessito de um PC. Claro que isso contribuintes
e usuários de tecnologia, esta não é uma verdade para muitos
de nós desenvolvedores.

Agora, você consegue imaginar a reação de um cliente se
você chega pra ele – ainda mais clientes que tiveram problemas de manutenção
de PC – e você sinaliza com a seguinte proposta:

E se eu instalasse aqui um computador que não tem COOLER,
roda a Frio, não esquenta e com isso não necessito de manutenção
todos os meses para limpar, não tem HD, mas uma forma
solida de armazenar os dados, tipo um pen drive, roda Windows XP e aplicativos
LOCAMENTE no PDV
, cabe na palma da Mão e ainda economiza
energia consumindo
10W e não 150W como o PC?

Sabe o que o cliente diz? Pelo menos a maioria… ”Era isso que e precisava,
mas quanto custa?” – Percebeu? Ele só sabe o que ele quer
no momento em que você apresenta a soluça pra ele. Isso é
uma verdade quase que absoluta já que no momento que você passa
a desenvolver um aplicativo, hardware, software para atender uma necessidade
de um cliente você não esta inovando, você já está
atrasado, porque ele já necessitava de aquilo porém você
ainda não atendeu ou está trabalhando para atender.

Hoje no mercado de automação é mais ou menos assim, você
só consegue quebrar o paradigma problemático de um PC quando você
parte pra uma solução e apresenta, ela ao cliente e ele dar-se
conta desta necessidade. Afinal de contas, pense comigo? Para que um PC no ponto
de venda? Qual a utilidade de todo aquele processamento no ponto de venda já
que realiza operações dedicadas?

Operação Dedicada requer um Hardware Dedicado com software
Dedicado

É muito interessante quando olhamos para o PDV por exemplo e imaginamos
estas três afirmações acima, o PDV possui uma operação
dedicada que é registrar, vender contabilizar as operações
do ponto de venda. Possui um software dedicado para isso porem não tem
um hardware dedicado para o PDV. E é neste nicho que entendo que os thin
clients entram.

Thin Cliente ou Smart Client?

Mas como colocar um Thin Client na Automação comercial? Primeiro
necessitamos mudar um pouco nossa visão de thin client, que assim como
toda tecnologia o mesmo sofreu evolução e agregaram-se funções
e processos com hardware atuais mais robustos, por isso gostaria de compartilhar
com vocês os três conceitos que entendo serem eles o necessário
para que se escolha qual melhor tecnologia de hardware dedicado a ser implementada.

Thin Client – Não Tem HD, Apenas RAM
baixíssima de 64MB, 128MB e olhe lá, Processador e Rede (Ethernet)
nada mais (além claro dos IOs normais de às vezes uma Paralela,
Serial, Saída de Vídeo, etc..) mas os componentes principais
que são vida a CPU do Thin Cliente são estes três. Já
que entende-se que o thin client como conceito é uma caixa que dá
boot pela rede (Remoto, PXE), e serve como um HUB onde processa instruções
do servidor mas sem comprometimento de armazenar e gerir tal informação.
Importante: Este tipo de Hardware é totalmente dependente e só
trabalha Server-On-Line

Rich Client – Cliente Rico (se traduzir ao pé
da letra) seria a mesma coisa, e na verdade é pegar um Thin Cliente
colocar um HD nele de 80GB, uma RAM de 1G ou 512MB, e instalar o Windos XP.
Ou seja, possui toda robustez e tamanho que o Thin Client possui, porém
é autônomo, poderíamos no fundo chamá-lo de um
Mini-PC, para classificar e diferenciar vamos chamar de Rich Client. É
claro, este tipo de hardware pode trabalhar Server-On-Line ou Server-Off-Line
com total autonomia local, totalmente desconectado de tudo e de todos. Esta
arquitetura possui uma desvantagem que é a adição de
uma parte móvel, mecânica que é o HD.

Smart Client – O Smart Client está exatamente
no meio, entre o Thin e o Rich. Como? Bem respondendo a esta pergunta: Para
quê um HD de 80 Gigas, alias… para quê um HD? Se minha aplicação
cabe em 512 MB e o Windows XP embedded pode ser portado para rodar em outros
300 MB? Sobrando assim 200MB para uma provável consistência Off-Line?
Para que necessito de uma RAM de 1Giga se utilizo WTS ou minha aplicação
é leve já que ela é dedicada e por sua vez apenas 256MB
supre a necessidade? Bingo! Ai entra o Smart Client. Sem parte Móvel,
já que não usa HD possui o que chamamos de SSD – imagine
um Pen drive de 1Giga dentro dele mas tão confiável quando o
HD e sem o problema de Vida útil que o HD possui, Há e ainda
rodando Windows. E claro, este tipo de hardware pode trabalhar Server-On-Line
ou Server-Off-Line com total autonomia local, totalmente desconectado de tudo
e de todos. Esta arquitetura possui uma grande vantagem que é ser totalmente
Solida, sem parte mecânica, já que o HD aqui é substituído
por uma Flash, um SSD, que para sua aplicação é igual
ao HD, tem C:\ o Windows reconhece todas as pastas, arvores de diretório,
é um HD em estado solido porem sem as partes mecânicas e movies
do HD.

Bem com esta classificação e fatiamento do conceito de Thin Client
você começa a ver possibilidades de usar o thin client na Automação
comercial? Lógico que sim ne? Só que claro… dentro do conceito
estendido de Smart Client ou Rich Cliente.

Bem mas pode surgir duvidas como:

O Smart Client e o Rich Client e o PC, qual vantagem de usar uma arquitetura
Smart Client e Rich Client e não um PC?

Esta duvida é pertinente e faz muito sentido, listo abaixo algumas das
vantagens de se utilizar esta arquitetura:

  • Economia de energia, pois ao não possui cooler e ter uma placa única,
    dedicada e um processador industrial o consumo cai de 100W (apenas a PCU convencional)
    para 10W.
  • Fan Less – Por não possui cooler (o que contribui para a economia
    de energia) não para de funcionar o cooler, porque se não tem
    não pára, não quebra ?, e não necessita puxar
    ar frio para refrigerar, como? Porque o processador destes Smart Clients ou
    Rich Client são processadores que mesmo rodando Windows, possuem uma
    arquitetura diferenciada, RISC e estão preparados para não esquentarem
    tanto como os convencionais Pentium que conhecemos. Com isso a manutenção
    é reduzidíssima.
  • Cabe na Palma da Mao. E espaço no PDV hoje vale ouro. Alem disso
    por não ter Cooler, e não esquentar, você pode literalmente
    esconde-lo debaixo do PDV que não haverá problema de não
    ter espaço pro Cooler funcionar e puxar ar frio já que não
    tem Cooler, é o conceito simples de não tem não quebra.
  • ROI – Retorno sobre o Investimento – quanto eu gasto pra manter
    um PC? Quando eu gasto para manter um Thin Client? Um Smart Client? Um Rich
    Client? Pode ter a certeza que os três juntos comparados ao PC não
    chega a 20% do valor gasto para se manter um PC.

Poderíamos listar aqui varias funcionalidades do Thin Client e suas
vantagens, mas este não é o objetivo.

A Daruma criou e foi a primeira a implantar este conceito no mercado de automação
de Smart Client e Rich Client – Ambos com todos os componentes que você
necessita para rodar seu software escrito em VB, Delphi, C#, WEB, .Net o que
for. Veja a foto dele aqui nestes links:

http://www.daruma.com.br/prd_det.php?id_prod=27

http://www.daruma.com.br/prd_det.php?id_prod=70

http://www.daruma.com.br/prd_det.php?id_prod=69

Para adquirir:

http://www.codefast.com.br/produtos.asp?cod_site=0&id_produto=189

http://www.codefast.com.br/produtos.asp?cod_site=0&id_produto=188

Agradecimentos especiais à equipe de suporte aos desenvolvedores Daruma.
Especialmente ao Claudenir e Alexandre da Daruma.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s